Sirlene Alves

Regressão Terapêutica

A regressão terapêutica é uma das principais ferramentas utilizadas na psicoterapia reencarnacionista, que norteia e complementa as consultas (conversas sobre a reencarnação, a finalidade e o objetivo de mais essa passagem, a busca da evolução espiritual, a releitura da infância sob a ótica reencarnacionista, o entendimento dos gatilhos e das armadilhas terrenas, a ilusão dos rótulos das “cascas”, etc).

A regressão pelo método abpr é realizada pelo psicoterapeuta mas comandada, dirigida, pelos mentores espirituais da pessoa, que direcionam a recordação. o que a pessoa vai acessar em sua encarnação ou encarnações passadas independe de sua vontade, de seu desejo e do psicoterapeuta, ou seja, a condução do processo é superior.

É uma oportunidade que os mentores das pessoas proporcionam de autoconhecimento e desligamento de situações traumáticas do passado. é como o telão do mundo espiritual aqui na terra, já que ambos são comandados pela espiritualidade.

Não acontece incorporação do psicoterapeuta pelo mentor da pessoa, nem esse ser aparece, materializa-se ou manifesta-se de alguma maneira. o processo regressivo ocorre naturalmente, oportunizando que a pessoa acesse as encarnações que são eticamente permitidas de serem acessadas, que o mundo espiritual entende que está na hora de acessar, para desligar-se daquela encarnação e/ou para um aprendizado específico.

Sob nenhuma hipótese, o psicoterapeuta atende o desejo da pessoa do que ela quer saber, do que ela deseja entender, seja do ponto de vista clínico, psicológico ou no que tange o relacionamento desta com outras pessoas e também não determina o que acredita ser melhor para a pessoa acessar, entender ou saber. nesses acessos ao passado, o método abpr é altamente ético e coloca-se inteiramente de acordo com a doutrina espírita de respeito à lei do esquecimento. o reconhecimento de pessoas jamais é incentivado, possibilitando conciliar-se regressão com a lei do esquecimento.

Todo esse processo é desencadeado sob comando superior do mundo espiritual, dos mentores espirituais de cada pessoa. o psicoterapeuta apenas participa mais ativamente na primeira fase da regressão: relaxamento do corpo físico e elevação da freqüência da pessoa através da meditação, lúcida, consciente, com a pessoa acordada, deitada, com os olhos fechados, sem o uso de hipnose, óculos ou qualquer outro artifício, apenas o comando verbal do psicoterapeuta para a pessoa relaxar, soltar-se, diminuir a intensidade dos seus pensamentos, e após um certo tempo imaginar que está crescendo, como um balão, que vai inflando, que vai inchando, ocupando a peça, crescendo, subindo...

Esse relaxamento e expansão de consciência faz com que ela possa acessar uma situação do seu passado, geralmente de outra encarnação, na qual está sintonizada, como se ainda estivesse lá, e de onde vem os sintomas das fobias, do pânico, as depressões severas, refratárias a tratamentos, as dores crônicas, como a fibromialgia, os sentimentos intensos de solidão, de abandono, as mágoas profundas.

Mas além do desligamento, é essencial a constatação, por parte da pessoa e do psicoterapeuta, da sua personalidade congênita, o seu padrão comportamental secular ou milenar, o pilar básico da psicoterapia reencarnacionista, onde pode-se encontrar, então, a nossa proposta de reforma íntima.